Atendimento de Fisioterapia a atleta do Flamengo é destaque na mídia nacional
Único jogador ainda internado passa por tratamento fisioterapêutico no CTQ

Mais uma vez, a Fisioterapia é notícia na mídia nacional. O incêndio que atingiu o alojamento do Ninho do Urubu, no Centro do Treinamento do Flamengo, na sexta-feira (8), deixou dez mortos e três feridos. As vítimas eram atletas da base do time e tinham entre 14 e 16 anos.

O terceiro sobrevivente, Jhonata Ventura da Cruz, é o único atleta internado no Hospital Pedro II, referência em tratamento com queimados. Segundo o boletim médico divulgado nesta quarta-feira, dia 20, o atleta segue em atendimento pela equipe de Fisioterapia e já começou a andar dentro do Centro de Tratamento de Queimaduras e o estado de saúde continua estável. "O atleta Jhonata Ventura encontra-se em boa evolução, permanece respirando em ar ambiente (sem a necessidade de oxigênio suplementar), com quadro de saúde estável. Segue fazendo uso de antibiótico e aceitando a dieta oral. Hoje foi realizado novo banho das lesões com troca de curativos. As lesões têm boa resposta evolutiva ao tratamento instituído. O menino segue em fisioterapia motora e respiratória, aos cuidados do Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital Municipal Pedro II”, disse a nota oficial divulgada pelo Flamengo.

Assim como Jhonata, o atleta Francisco Dyogo, vítima do incêndio, também passou por tratamento de Fisioterapia. Em ambos os casos, a Fisioterapia cumpriu um importante papel, tanto para o paciente que tenha inalado fumaça quanto para a vítima de queimadura. Dentro de uma equipe multidisciplinar, a Fisioterapia é responsável por maximizar a recuperação funcional dos queimados críticos, quanto à reabilitação motora e cuidar das vias aéreas daqueles que apresentarem lesão inalatória.