18 de maio marca comemoração pelo Dia Nacional da Luta Antimanicomial
Movimento da Luta Antimanicomial reforça que todo cidadão tem o direito fundamental à liberdade, o direito a viver em sociedade, além do direto a receber cuidado e tratamento.

No dia 18 de maio é celebrado o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, data que tem por objetivo levar a debater sobre a luta pelos direitos das pessoas com sofrimento mental. O Movimento da Reforma Psiquiátrica teve início no final da década de 70 e, em 1987, teve dois marcos importantes para a escolha do dia que simboliza essa luta, com o Encontro dos Trabalhadores da Saúde Mental, em Bauru (SP), e a I Conferência Nacional de Saúde Mental, em Brasília.

Em 2019, São Paulo terá pouco a comemorar, mas muito a combater.

Retrocessos na saúde mental

No dia 4 de fevereiro de 2019, o Ministério da Saúde divulgou a Nota Técnica n°11/2019, que apresenta questões que desfazem a política de Saúde Mental, como incentivo à aquisição de equipamentos de eletroconvulsoterapia, conhecidos como eletrochoques; a determinação da abstinência forçada como regra para o tratamento de dependentes químicos e internação de crianças em hospitais psiquiátricos, dentre outros retrocessos.

A respeito disso, o Crefito-3, em consonância com o Sistema Coffito/Crefitos, passou a atuar de maneira forte no combate aos retrocessos, provocou atuação em esferas políticas e buscou ampliar parceiros na luta contra os efeitos da “nova” Nota Técnica de Saúde Mental do Ministério da Saúde. Através de ofício, o vice-presidente do Crefito-3 Dr. Adriano Conrado Rodrigues convidou as presidentes dos Conselhos Regionais de Serviço Social da 9ª Região, Kelly Rodrigues Melatti e de Psicologia de São Paulo, Luciana Stoppa dos Santos, para participar da reunião com a deputada federal Erika Jucá Kokay, em Brasília.

O Crefito-3 também enviou ofício solicitando o envolvimento da senadora Mara Gabrilli e do deputado federal Abou Anni na luta, além  de oficiar o Coffito solicitando reunião de emergência do Sistema para se posicionar sobre o assunto.

Com a pauta “Frente de Defesa Parlamentar Antimanicomial”, a reunião fez parte de um conjunto de ações que o Crefito-3 tem movido para combater os retrocessos apresentados pela “nova” Saúde Mental proposta pelo Ministério da Saúde. Conforme explicou o vice-presidente da autarquia paulista, Dr. Adriano Conrado Rodrigues, “o Serviço Social e a Psicologia são duas áreas que também encampam a atuação na Saúde Mental e o tema da Luta Antimanicomial e da Reforma Psiquiátrica é pertinente para essas duas profissões. Quando chamo essas duas profissões para participar dessa ação de alteração da política nacional de saúde mental, que encampa os preceitos e as premissas que norteiam a questão da reforma psiquiátrica, estamos trabalhamos as boas práticas de saúde tanto no campo da Terapia Ocupacional como no campo da Psicologia e do Serviço Social”.

A edição 6 da Revista Em Movimento, de abril de 2019, trouxe uma entrevista com o vice-presidente sobre esta mobilização e seus efeitos Brasil afora.

Além da revista, o Crefito-3 já tratou deste tema nos episódios 3, 5 e 6 do Podcast “Fisio e TO em Movimento”, disponíveis no YouTube, Soundcloud e Spotify.