Inicialmente, apenas 200 mil profissionais de saúde da Capital serão vacinados
Estes profissionais poderão realizar pré-cadastro da imunização contra a COVID-19. Ferramenta do governo de SP deverá agilizar atendimento nos locais de vacinação.

Embora a vacinação já tenha começado em todo o Brasil, o volume produzido e disponível para distribuição ainda é pequeno. Isso levou as autoridades sanitárias a desenvolver um planejamento que adeque as necessidades da sociedade à quantidade de vacinas disponível no Brasil neste momento.


Uma análise divulgada pela Rede de Pesquisa Solidária, que reúne pesquisadores de institutos renomados como Fiocruz e USP, calcula que existem no Brasil cerca de 5 milhões de profissionais da saúde. Para cobrir esse número de profissionais, são necessárias pelo menos 10 milhões de doses da vacina. Neste primeiro momento, o país terá 6 milhões de doses para distribuir.


Segundo o secretário municipal de Saúde da Capital, Edson Aparecido, a prefeitura vai imunizar 200 mil profissionais de saúde, das redes pública e privada. Ele deixou claro que isso ocorrerá com profissionais que atuam 24 horas por dia atendendo pessoas com suspeita ou confirmação de Covid-19.


De acordo com o Informe Técnico da Campanha Nacional de Vacinação contra a COVID-19 do Ministério da Saúde, os grupos prioritários foram divididos em quatro fases. Na primeira, terão prioridade os profissionais de saúde, pessoas com 75 anos ou mais, idosos acima de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência e povos indígenas. Já a segunda fase vai incluir todos os idosos de 60 a 74 anos.


Na fase 3 estão as pessoas que fazem parte do grupo de risco por terem comorbidades, tais como cardiopatas e doentes renais crônicos. A quarta e última fase vai priorizar professores, agentes de segurança, trabalhadores do sistema prisional e população privada de liberdade.


Ministério da Saúde

Devido à quantidade limitada de doses, o Governo Federal propôs a priorização para os profissionais de saúde, que poderá ser adaptada por cada estado e município. De acordo com o Ministério da Saúde, apenas 35% dos profissionais da saúde serão imunizados neste primeiro momento. Conforme consta no Informe Técnico da Campanha Nacional de Vacinação, são prioridade entre os profissionais da saúde: 


  • Os profissionais envolvidos nas equipes de vacinação dos grupos elencados para as 6 milhões de doses; 

  • Trabalhadores das Instituições de Longa Permanência de idosos e de residências inclusivas (Serviço de Acolhimento Institucional em Residência Inclusiva para jovens e adultos com deficiência); 

  • Profissionais que trabalham nos serviços de saúde públicos e privados, tanto da Urgência quanto da Atenção Básica, envolvidos diretamente na atenção/referência para os casos suspeitos e confirmados de COVID-19. 


Segundo o Informe, se ainda houver doses disponíveis, serão contemplados os demais trabalhadores de saúde. O Governo orienta, neste momento inicial de vacinação, dar prioridade àqueles que estão mais expostos aos riscos, além das outras populações que fazem parte desta etapa. Os demais profissionais de saúde ainda serão vacinados na primeira fase, mas podem precisar aguardar o envio de novas doses aos estados.


Vacina já

No domingo, dia 17 de janeiro, o Governo de São Paulo lançou a ferramenta virtual “Vacina Já”, a fim de que profissionais da saúde e grupos prioritários desta primeira fase realizem o pré-cadastro da vacinação. 


Conforme divulgado pelo governo estadual, o pré-cadastro não é um agendamento, mas tem por objetivo agilizar o atendimento nos locais de vacinação e evitar a formação de aglomerações. O fornecimento das informações é opcional, mas a participação de cada um vai ajudar toda a sociedade.


O governo informou também que quem não conseguir fazer o pré-cadastro não precisa se preocupar, já que a vacinação também será feita sem ele. No entanto, será necessário fazer o cadastro completo na unidade de vacinação. De acordo com informações da Secretaria Estadual de Saúde, a maior parte dos profissionais de saúde vai receber a vacina em seus locais de trabalho.