Em debate na TV, Crefito-3 alerta sociedade para riscos à sociedade trazidos pela graduação na saúde 100% na modalidade EaD

Há cerca de 10 anos, os 13 Conselhos Regionais de fiscalização profissional da área da saúde do estado de São Paulo movimentam os deputados estaduais em busca de apoio aos projetos de lei que restringem a formação de profissionais de saúde na modalidade 100% a distância. E foi esse engajamento das profissões da saúde contra a formação de profissionais de nível técnico e superior da saúde que pautou a edição do programa Em Discussão: Saúde, transmitido pela TV Alesp, da Assembleia Legislativa de São Paulo.


A Fisioterapia e a Terapia Ocupacional foram representadas no programa por Dr. José Renato de Oliveira Leite, presidente do Crefito-3, que foi acompanhado dos representantes do Conselho Regional de Odontologia (Crosp), Marcelo Januzzi Santos; o representante do Conselho Regional de Enfermagem (Coren-SP), Paulo Cobellis, e o presidente do Conselho Regional de Farmácia (CRF-SP), Marcos Machado Ferreira.

Durante o programa, os participantes trouxeram à pauta vários aspectos que comprovam a ineficácia da utilização do ensino a distância em sua totalidade ou quase-totalidade para formar profissionais que trabalharão diretamente com a saúde humana.


Profissões da saúde se manifestam: não ao EaD


O farmacêutico Marcos Machado considera importante a realização do debate para na Assembleia Legislativa, “para que os deputados entendam o que pode acontecer”, caso a disseminação do modelo EaD não seja freado na área da saúde. “Também a população precisa entender o risco que corre, ao ser atendida por profissionais formados a distância”.

Machado não se posicionou contrário ao uso das tecnologias que possibilitam o ensino a distância, mas defende que o recurso seja utilizado apenas como complemento para  ensino presencial.

Paulo Cobellis ressaltou, como fator que inviabiliza a sustentação de um modelo EaD para a formação na saúde, a multicausalidade do processo saúde-doença, e que exige a observação, a reavaliação, o estar junto. “O que temos, na área da saúde, é o encontro entre vidas”, resumiu o representante do Coren-SP.


O representante do Crosp, Marcelo Januzzi, disse ser difícil acreditar que um profissional da saúde formado em uma graduação 100% a distância venha a ter a mesma qualificação profissional que um profissional que foi formado na modalidade presencial, que teve o contato humano, embora a validade jurídica da habilitação de ambos os profissionais seja a mesma. “Os pacientes não saberão quem foi formado pelo ensino a distância e quem foi formado pelo ensino tradicional”, alerta Januzzi.


130 mil vagas EaD já autorizadas para a Fisioterapia


Definido como “temeroso” por Dr. José Renato, o EaD na graduação de Fisioterapia e Terapia Ocupacional já conta com grande quantidade de vagas autorizadas - 700 para a Terapia Ocupacional e quase 130 mil para a Fisioterapia (74 mil dessas vagas em apenas uma instituição).


“É inadmissível substituir o contato direto com docentes experientes por uma mediação tecnológica conduzida por tutores”, declara o presidente do Crefito-3.


Dr. José Renato destaca também o contato com o paciente e com a equipe multiprofissional e o fluxo de trabalho em uma unidade de atendimento como elementos importantes para a construção da excelência na formação profissional.


Ao longo do programa, Dr. José Renato abordou ainda o sucateamento de todo o sistema de ensino brasileiro, desde a base até a universidade; questões éticas, a capacitação dos docentes para atuar em contextos regionais múltiplos, riscos à segurança do paciente, entre outros temas.


O programa Em Discussão: Saúde está disponível no canal da Assembleia Legislativa de São Paulo no Youtube, no link http://bit.ly/EaDAlesp