Araraquara emite moção de repúdio ao EaD na Saúde. 32 municípios de São Paulo já se posicionaram contra a modalidade

A luta do Crefito-3 contra o EaD nas áreas da Saúde, principalmente Fisioterapia e Terapia ocupacional, tem surtido efeitos em várias frentes. Na atuação política, além dos encontros com deputados federais e estaduais, a ação junto a Câmaras Municipais também tem dado resultado. 

No dia 13 de novembro, a Câmara Municipal de Araraquara entrou para o grupo dos municípios que rejeitaram o EaD na Saúde. Agora, são 32 Câmaras que se posicionaram contrárias à graduação integral em áreas da Saúde. Elias Chediek (PMDB), vereador do município de Araraquara, encaminhou ao Crefito-3 moção de repúdio à modalidade de ensino, alegando que o direito à saúde é direito fundamental de todo ser humano, assegurado pela Carta Magna. O ofício também foi encaminhado ao atual presidente da República Michel Temer.

Em 28 de novembro de 2017, Elias Chediek elaborou o requerimento nº1155/17, que contou com a subscrição de outros vereadores de Araquara. O documento repudia o Decreto nº 9.057/2017, editado pelo Governo Federal em 25 de maio de 2017, e a Portaria Normativa nº11/2017 do Ministério da Educação que propiciaram a expansão da oferta de cursos superiores a distância na área da Saúde.

No mês de outubro, os municípios de Agudos, Araçatuba, Itaju, Santana da Ponte Pensa e São Paulo emitiram moções de repúdio à graduação na modalidade EaD para cursos na área da Saúde. As moções apresentadas pelas Câmaras encontram embasamento na Resolução n° 515/2016 em que o Conselho Nacional de Saúde (CNS) se posicionou contrário à autorização de todo e qualquer curso de graduação na área da Saúde ministrado na modalidade EaD.

Quer saber mais ações do Crefito-3 contra o EaD na Saúde? Leia nas edições 2, 3 e 4 da Revista em Movimento - http://www.crefito3.org.br/dsn/revistas.asp