Em tempos de pandemia, só a contaminação por Fake News pode ser tão devastadora
A circulação de notícias falsas é tão grave que levou o Ministério da Saúde a criar canal específico para identificar e parar disseminação

O tema Fake News afeta a todos nós, mas não é um tema que esteja ligado ao universo de estudo dos profissionais de Saúde. O termo em inglês ganhou forma para classificar notícias mentirosas. O detalhe é que as Fake News atualmente já são utilizadas para  influenciar as pessoas, ideológica ou politicamente. O seu potencial de dano é incalculável, o que torna necessária a existência de ferramentas de identificação, que permitam combater a disseminação de mentiras.


O termo pode ser traduzido fazendo referência a informações falsas, com caráter noticioso. As Fake News são usadas para influenciar, endossar um viés político ou ideológico e também espalhar mentiras quanto a temas relacionados à saúde e à violência.


O Crefito-3 mantém ações permanentes e concentradas de Comunicação para fazer jus à sua característica de órgão público e a todas as obrigações que isso lhe traz. Esse tema, inclusive foi tratado em na edição 22 do podcast Fisio & T.O Em Movimento, que entrevistou especialistas da Universidade São Paulo sobre a obrigatoriedade de se informar bem os públicos do Conselho. Atualmente a autarquia em São Paulo mantém uma conjunto pesado de produtos de comunicação que visam acolher o profissional e prestar todo o tipo de informação da forma mais ágil e adequada possível.


Para se ter uma ideia do nível de produção, seguem alguns dos números da Gerência de Comunicação do Crefito-3. Apenas em 2019, o setor produziu mais de 300 vídeos que estão disponíveis no canal do Conselho no YouTube. O Conselho atualmente é o único a produzir podcasts semanais para fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. Em 2019, foram produzidos  45 edições do podcast Fisio & T.O. Em Movimento, disponível em 10 agregadores de podcasts. A Gerência produziu ainda 45 episódios do Resumo da Semana, mini programa jornalístico semanal disponibilizado no canal do YouTube.


Outro trabalho é feito com o envio constante de e-mails aos profissionais. Em 2019, foram realizados 170 disparos de emails aos profissionais, totalizando cerca de 10 milhões de envios. O Crefito-3 também realizou 37 eventos presenciais gratuitos, com mais de 100 palestrantes em 2019 convidados. A Gerência ainda produziu mais de 800 notícias para o site e realizou mais de 20 mil postagens nos perfis oficiais nas redes sociais (no Facebook, no Instagram, no Twitter e no LinkedIn). E por fim, produziu três edições da Revista Em Movimento que é enviada gratuitamente aos 80 mil profissionais inscritos no conselho atualmente.

Essa carga de informação é totalmente produzida pela equipe interna do Conselho e tem como objetivo principal repassar informações de qualidade ao jurisdicionado em São Paulo.

Essa carga de informação é totalmente produzida pela equipe interna em São Paulo e tem como objetivo principal repassar informações de qualidade ao jurisdicionado em São Paulo.


Agências de verificação

Plataformas de checagem de fatos podem ajudar a saber se uma notícia compartilhada na web é falsa, ou seja, se trata de Fake News. O Brasil já possui algumas boas agências dedicadas à checagem de fatos e também da escala de veracidade de uma informação. Pesquise sobre elas e utilize sempre que for preciso.


Ministério da Saúde

Para combater as Fake News sobre saúde, o Ministério da Saúde, de forma inovadora, está disponibilizando um número de WhatsApp para envio de mensagens da população. 

Qualquer cidadão pode enviar gratuitamente mensagens com imagens ou textos que tenha recebido nas redes sociais para confirmar se a informação procede, antes de continuar compartilhando. O número é (61)99289-4640.


Congresso Nacional

O Congresso Nacional aprovou e o Governo Federal promulgou em Novembro a Lei 13.834/2019 que tipifica o crime de denunciação caluniosa com finalidade eleitoral. A regra pune com dois a oito anos de prisão a divulgação de notícias falsas.

Além de pena de prisão, a medida estipula multa para quem acusar falsamente um candidato a cargo político com o objetivo de afetar sua candidatura. A punição aumenta caso a calúnia ocorra sob anonimato ou nome falso.