Crefito-3 oficia Secretaria de Transportes para que Fisios e TOs não sejam prejudicados em rodízio
Em ofício, Conselho pede que fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais não sofram restrições de trânsito impostas à população em geral, por conta da atuação no combate à pandemia.

Na quinta-feira, dia 7 de maio, o Crefito-3 encaminhou ofício ao Secretário Municipal de Mobilidade e Transportes de São Paulo, ao Departamento de Operação do Sistema Viário à Presidência da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) para que fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais registrados na Autarquia não sejam prejudicados pelo novo rodízio instaurado na cidade. 


O presidente do Crefito-3 Dr. José Renato de Oliveira Leite afirmou no documento que “os profissionais Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais e seus veículos não podem sofrer as restrições de trânsito impostas à população em geral, por conta da sua atuação no combate à COVID-19, muitas vezes em mais de um hospital, em situações de urgência e de emergência, sendo fundamental a livre circulação a eles”. Dr. José Renato explicou que fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, em especial, os que atuam na área hospitalar, são dotados da expertise na área respiratória, cardiorrespiratória e terapia intensiva, e como tal, atuam sobretudo na facilitação da ventilação pulmonar, na remoção de secreções brônquicas, na implementação da oxigenoterapia, e no manejo do suporte mecânico ventilatório dos pacientes que contraíram a COVID-19.


O ofício ressalta que, devido à maior exposição de profissionais da área da saúde ao coronavírus, é preferível e mais seguro que esses profissionais se desloquem pela cidade em seus veículos particulares, em vez de utilizar o transporte público. 


Novas regras


Na quinta-feira, dia 7 de maio, a prefeitura de São Paulo anunciou que vai limitar a circulação de carros na cidade por meio de um esquema de um rodízio mais restritivo. Conforme afirmou o prefeito Bruno Covas, “momentos extremos exigem medidas extremas". Covas explicou que a medida é para evitar que seja decretado o lockdown na cidade, ou seja, um confinamento total que paralisa, especialmente, os fluxos de deslocamento. 


A partir de segunda-feira, 11 de maio, carros com placas de final par só poderão rodar em dias pares e veículos com final ímpar, nos dias ímpares. A medida também vale para toda a cidade, durante 24 horas, inclusive sábados e domingos e inclui, ainda, a zona Máxima de Restrição de Veículos para caminhões. Estarão liberados apenas caminhões de entregas de abastecimento e de materiais médicos.


Isenção a profissionais de saúde


Apesar das mudanças no rodízio de veículos na Capital, profissionais da área da saúde não serão afetados com a medida. Para isso, deverão solicitar isenção ao rodízio através do endereço de e-mail isencao.covid19@prefeitura.sp.gov.br , com documentação simples e autodeclaratória, como CPF, nome do profissional, estabelecimento no qual trabalha e a placa do veículo. O prazo para os profissionais se cadastrarem será de dez dias. Nesse período, quem for multado poderá recorrer para anular a multa. Vale lembrar que os veículos que já possuem isenção do rodízio, como os de portadores de deficiência física, continuam com o benefício de não ter restrição de circulação.