Estratégia do Crefito-3 destaca experiências de profissionais de SP contra o coronavírus
No dia 8 de agosto o Brasil rompeu, oficialmente, a marca dos 100 mil mortos por COVID-19 e, a partir de então, Crefito-3 iniciou nova fase em sua estratégia de comunicação.

No dia 8 de agosto, o Brasil ultrapassou a marca de 100 mil mortes por COVID-19, de acordo com o levantamento do consórcio de veículos de imprensa. Há tempos, o Brasil é o segundo país com o maior número de mortos pelo novo coronavírus, perdendo apenas para os Estados Unidos, que já ultrapassaram 160 mil casos fatais. Segundo a Reuters, no mundo já são mais de 700 mil mortes, muitas delas, de profissionais de saúde.


O impacto que a triste marca de 100 mil vidas perdidas deixou no Brasil, mobilizou a sociedade como um todo. Veículos de comunicação fizeram cobertura ampla sobre o fato e sobre o que ele significa para o país. E o Crefito-3 elaborou estratégia de comunicação ligada ao fato. Desde o sábado, o Conselho tem utilizado assinatura em luto para postagens nas redes e desde segunda feira, 10 de agosto, tem destacado relatos em áudio de profissionais a respeito de experiências sobre o enfrentamento ao novo coronavírus no Estado de São Paulo.  


Podcast Especial

Na segunda, dia 10 de agosto, o Crefito-3 produziu um episódio especial do podcast diário Movimenta, edição 91, trazendo um resumo rápido do impacto das 100 mil mortes por COVID-19 no Brasil e relatos de 8 profissionais do estado de São Paulo que estão no enfrentamento. Desde então, os novos episódios do programa destacam um novo depoimento, de fisioterapeuta ou de terapeuta ocupacional que estão no enfrentamento ao novo coronavírus no estado de São Paulo, por dia. Essa iniciativa busca dar voz aos milhares de guerreiros que estão no dia a dia das frentes de batalha.


Outras ações na pandemia

Desde a segunda quinzena do mês de março, o Crefito-3 montou uma verdadeira estratégia de guerra para apoiar, trazer orientações e garantir biossegurança dos profissionais do Estado de São Paulo. A ação envolveu ainda atuações conjuntas com o Ministério Público do Trabalho do Estado, a Prefeitura da Capital, o Conselho federal de FIsioterapia e Terapia Ocupacional, associações e sociedades científicas ligadas às duas profissões e a Universidade São Paulo - USP.


Ainda antes da quarentena, no dia 20 de março, o Conselho criou a Frente de Coordenação de Agentes Fiscais Especiais. Posteriormente, convocou, selecionou, capacitou e coordenou o trabalho de 137 agentes fiscais especiais responsáveis pela fiscalização por biossegurança de mais de 700 hospitais do Estado, distribuiu gratuitamente face shields aos profissionais e produziu imensa quantidade de conteúdos com objetivos de manter informados os profissionais do Estado sobre inúmeros temas relativos à pandemia.


Para ter acesso rápido aos conteúdos, segue: