Em Campinas, mais de 600 casos suspeitos de COVID-19 em investigação
Diminuição da velocidade na redução de internações registrada pela Vigilância Epidemiológica no mês de novembro deve trazer um alerta para os campineiros, segundo registro do boletim epidemiológico do município

No município de Campinas, localizado a 97 km da cidade de São Paulo, dados do boletim epidemiológico divulgado de 20 de novembro registram que, entre os dias 05 de outubro e 17 de novembro foram confirmados 3. 436 novos casos de COVID-19 no município. Cerca de 600 casos ainda seguem em investigação. 


Desde o início da pandemia, em Campinas foram confirmados - até 17 de novembro -  40.429 casos de infecção pelo SARS-CoV-2 (25,4% de todas as notificações de Síndrome gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave). Desses casos, 11,3% foram classificados como moderados ou graves . O número de óbitos  no município, até 17 de novembro, era de 1.355 pessoas.


Segundo dados do boletim epidemiológico, Campinas é o município que apresenta a maior incidência de casos confirmados de COVID-19 por 100.000 habitantes  - maior que a mesma incidência no Brasil, no estado de São Paulo e no município de São Paulo.


Em Campinas, avaliação de evolução de casos em tempo real


Desde o início da pandemia, em março de 2020, um sistema desenvolvido no município, - o SiCovid -  permite o monitoramento diário dos atendimentos de casos suspeitos ou confirmados de infecção pelo vírus SARS-COV 2, realizados pelos Pronto Atendimentos Municipais (UPAs) e Centros de Saúde (CS). Tal estratégia tem permitindo a avaliação em tempo real da evolução da pandemia no município.


Segundo dados apontados pelo sistema, após um período de queda sustentada de casos sintomáticos respiratórios, ocorrido até o final do mês de outubro, houve aumento de 28,7 % nos atendimentos presenciais registrados no SiCovid a partir da primeira semana de novembro,  em relação a semana anterior. O sistema também mostra um aumento de  22,5% na semana iniciada em 08 de novembro, em relação à primeira semana do mesmo mês.


O boletim epidemiológico de 20 de novembro mostra que, entre os dias 1º e 14 de novembro, houve um aumento de 0,83 % (4.233) nas notificações de todos os casos (suspeitos e confirmados).


O registro do aumento de casos sintomáticos respiratórios leves nas últimas semanas, e a  tendência à desaceleração da curva de queda de internações para síndrome respiratória aguda grave oferecem, de acordo com análise apresentada no boletim epidemiológico,um “alerta para os campineiros da importância de que todas as medidas sanitárias preconizadas sejam mantidas. Embora, algumas vacinas estejam sendo consideradas promissoras, ainda não há evidência de nenhum imunobiológico que será disponibilizado à curto prazo para toda à população”, conclui o documento.