Dra. Carolina Mendes é a primeira fisioterapeuta do Brasil a ser vacinada contra a COVID-19
No domingo, 17 de janeiro, a enfermeira Monica Calazans foi a primeira cidadã a receber a dose da CoronaVac no Brasil. Público-alvo da 1ª fase já pode realizar cadastro no site do Plano Estadual de Imunização.

O dia 17 de janeiro, domingo, marcou um grande feito para o Brasil e para o estado de São Paulo. A primeira dose da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, foi aplicada na enfermeira Monica Calazans, primeira profissional da saúde a participar do Plano Estadual de Imunização. Monica trabalha na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo, que atende pacientes com COVID-19. A aplicação da vacina aconteceu minutos após aval da Anvisa, que aprovou, em caráter emergencial, o uso do imunizante. 


Nesta segunda-feira, dia 18 de janeiro, Dra. Carolina Mendes do Carmo foi a primeira fisioterapeuta do Hospital das Clínicas (HC) da capital a ser vacinada contra a COVID-19 no Brasil. Ela é fisioterapeuta há 19 anos, doutora em ciências da reabilitação e coordenadora da Divisão de Fisioterapia do Instituto Central do Hospital das Clínicas e responsável pela central de equipamentos. Receberam a primeira dose da CoronaVac os profissionais da saúde que se voluntariaram a trabalhar na vacinação dos 28 mil funcionários do HC. Em depoimento, Dra. Carolina disse estar muito feliz, grata e esperançosa. “Estamos vivendo um marco na história do Brasil, da saúde e da ciência! A vacina renova nossas forças e acalma nosso coração! Tenho muito orgulho de ser fisioterapeuta e de compartilhar momentos com profissionais tão competentes e humanizados. A Fisioterapia fez um trabalho sensacional na linha de frente ajudando intensamente, bravamente no enfrentamento da pandemia. Agradeço a todos os fisioterapeutas que estiveram nesta luta e estou confiante que daqui pra frente será somente vitórias”, disse.


Ainda nesta segunda-feira, o Governo do Estado de São Paulo começa a distribuir materiais como seringas, doses e agulhas para imunizar profissionais da saúde de seis hospitais do estado, tais como o Hospital das Clínicas da capital e de Ribeirão Preto (USP), HC de Campinas (Unicamp), HC de Botucatu (Unesp), HC de Marília (Famema) e o Hospital de Base de São José do Rio Preto (Funfarme). Para o governo, 60 mil pessoas serão imunizadas nesses locais. Em seguida, prefeituras de todo o estado receberão doses da vacina para serem aplicadas em profissionais da saúde e indígenas.


Estações de vacinação

Na capital, o governo paulista montou 30 estações de vacinação para vacinar os 30 mil profissionais do HC das Clínicas nesta primeira fase de imunização. O procedimento ocorrerá diariamente, das 7h às 19 horas. A segunda dose da vacina será aplicada 21 dias após a primeira. 


Vacina Já

O governo criou, também, um site do Plano Estadual de Imunização no qual os profissionais da saúde e o público-alvo desta primeira etapa de vacinação, como indígenas e grupos prioritários, poderão realizar cadastro para receber a vacina contra a COVID-19. A ideia é que o cadastro pelo site agilize o processo de imunização. No entanto, o governo afirmou que quem não conseguir se cadastrar não precisa ficar preocupado, já que a imunização não depende do cadastro para ser efetivada.